domingo, 2 de dezembro de 2018

Alexandr Dugin: "Síria é importante para acabar com a hegemonia ocidental de destruição de países árabes"

Alexandr Dugin (nascido em Moscou, 7 de janeiro de 1962) é um dos grandes ideólogos da Rússia contemporânea. Analista político, filósofo político e historiador de religiões com estreitas conexões com o Kremlin e os militares. É um homem vinculado à alta política há anos sendo, além disso, o grande ideólogo da Quarta Teoria Política, do Neo-eurasianismo, com uma grande e crescente influência e autoridade entre o povo russo, dentro do Kremlin e, cada vez mais, fora da Rússia. Teve a graça de conceder uma entrevista para a Oltracultura.com.(Tradução: Álvaro Hauschild)
1- Quais foram os desafios internos que Rússia teve que operar, particularmente desde a chegada de Vladimir Putin ao poder depois da década dos anos noventa (a década Yeltsin) na qual a Rússia teve uma brutal crise econômica, viu-se nas mãos de oligarquias ou de países estrangeiros (Estados Unidos enviava grandes quantidades de dinheiro para a Rússia), viu-se com um gravíssimo problema na Chechênia e com grande descrédito internacional. Quais foram os desafios que Putin teve que superar e como se chegou a essa situação tão delicada e perigosa para a Rússia de aberto comprometimento com a grande superpotência internacional que são os Estados Unidos? Como a Rússia se recuperou nestes quinze anos de governo de Putin?
Dugin: Sim, este foi o momento mais difícil, mais dramático da história da Rússia atual. Quando Putin chegou ao poder, foi o momento de mudança total do curso, mas, paradoxalmente, Putin foi posto lá por Yeltsin, não veio de fora do sistema, era membro do grupo dos liberal-democratas de São Petersburgo, trabalhava com Anatoly Sobchak, que era figura simbólica do liberalismo ocidentalista demagógico russo, dos piores; interessante que Putin chegou ao poder não como a alternativa a Yeltsin, mas como o representante de seu sistema, de seu grupo. Desde os anos noventa, [este grupo] era chamado "a família" de Yeltsin, não no sentido de sua família real, natural, mas no sentido da gente, dos oligarcas que sustentavam Yeltsin.
O liberalismo, esta ocupação do país pelo Ocidente, precisamente porque nos anos noventa foi a ocupação... Gorbachov quis fazer um acordo com o Ocidente para deixar a Guerra Fria, mas Ocidente entendeu isto como uma capitulação da Rússia, e a resposta foi a expansão da OTAN, da pressão sobre a Rússia para acelerar seu término, seu fim. Brzezinski declarou abertamente que se deveria destruir totalmente a Rússia. Era a política geral do unipolarismo ocidental nos anos noventa. A elite que chegou ao poder, liberal-democrata, era uma elite pró-ocidentalista que ajudava o Ocidente com a destruição do país, eles venderam quase tudo, e Putin era um deles; é muito importante compreender, entender, o que se produziu no momento de sua chegada ao poder.
Era uma parte deste sistema. Este sistema rumava no sentido da destruição total do país, a posição era fraca, não se pôde opor em nada contra este caminho dos liberais, dos oligarcas, dos traidores, e Putin era parte deste grupo. Mas quando ele chegou ao poder, ele mudou tudo de supetão, completamente. Sendo o homem de Yeltsin desde seus primeiros passos no poder, Putin começou a seguir uma linha completamente oposta à linha de Yeltsin.
Yeltsin não pôde nem quis acabar com a guerra na Chechênia, o que ele quis era continuar colaborando com o Ocidente, e Putin transformou tudo isso imediatamente, com vontade e decisão acabou com a guerra na Chechênia, começou a reconstruir a Rússia, saindo do Fundo Monetário, dos preceitos do Banco Mundial, e começou a reafirmar, reconstruir a soberania nacional da Rússia. Nisso ele foi apoiado completamente pelo povo russo, totalmente; faltava a Putin o partido, a estrutura, a ideologia, a elite também lhe faltava; foi apenas posto pelos liberais, os oligarcas e Yeltsin mesmo, mas mudou tudo, era uma forma.
Não era a oposição que vencera as eleições; pelo contrário, era integrante do grupo de Yeltsin nos anos noventa que se revoltou, depois de chegar ao poder, contra tudo isso e, desde então, começa outra história para a Rússia. A história de Putin com o conservadorismo, a soberania nacional, o patriotismo, com o curso em geral, com a multipolaridade, com a integração do espaço pós-soviético no sistema eurasiático. Uma mudança completa e radical com respeito ao curso de Yeltsin. Putin era o oposto, mas há que compreender que Putin não mudou a elite; a elite é a mesma. É a elite liberal dos anos noventa que não pode se revelar abertamente contra Putin, mas conserva suas opiniões e ideias liberais. Putin não criou outra elite, não criou instituições para o apoio de seu decurso.
Por isso devemos considerá-lo um líder solitário, um Czar solitário, que tem o apoio do povo geral, mas da elite nas instituições não têm qualquer apoio nem mesmo estrutura, exceto talvez o exército, o círculo dos militares, do Estado profundo russo, mas no nível da elite não tem apoio.
2- Há um tema muito interessante, falando sobre os liberais na Rússia, como muitos desses oligarcas como, por exemplo, citando nomes, Abramovitch (que comprou o Chelsea, um time de futebol britânico), como Berezovsky; eles abandonam a Rússia e se refugiam no Reino Unido, assim como Ahmad Zakaev, que foi presidente da Chechênia quando foi independente e que obviamente fugiu da Rússia para o Reino Unido; e do Reino Unido quero falar porque há pouco, há apenas uma semana se difundiu uma notícia sobre uma operação do Estado profundo britânico na Europa, cuja função consistia, precisamente, em evitar através de diferentes lobbys na Europa continental (entre eles Espanha) que a influência russa fosse avançando. Por acaso estamos agora mesmo na Europa, evidenciando o caso da Ucrânia, sobre o qual falaremos depois, por acaso estamos assistindo a uma guerra entre um eixo que é o Reino Unido e os Estados Unidos, de um lado, e a Rússia por outro?
Dugin: Sim, você perguntou muitas coisas em uma só questão; para começar, falemos dos oligarcas. Putin não destruiu os oligarcas, ele apenas fez uma diferenciação, uma divisão entre os oligarcas. Uns aceitaram sua inclinação, como Abramovitch, os outros se revelaram contra Putin, como Berezovsky. Putin não é anti-oligarquista, sua política consiste na promoção dos oligarcas leais à sua inclinação, à ideia da soberania da Rússia; o reconhecimento dos valores conservadores soberanos lhes deixa viver. Os que se revelam contra esta inclinação, contra Putin e os valores que esta inclinação representa, saem do país, como Berezovsky.
Berezovsky foi assassinado, creio eu, pelos britânicos porque quis voltar à Rússia. Ele tinha saudades, pensava que tinha cometido o erro de se mostrar contra Putin, quis voltar e foi assassinado; ele tinha os contatos com os serviços secretos britânicos e americanos, e foi assassinado porque enviou uma carta a Putin com a explicação de sua saudade pela Rússia, com o reconhecimento de seus erros etc. etc., e foi assassinado por isso.
Sobre o Reino Unido agora. A Inglaterra sempre foi o inimigo geopolítico da Rússia, o ponto central do imperialismo anglosaxão, e esta tradição continua. No Reino Unido, recentemente se publicaram documentos que mostram que Reino Unido quis apresentar a Rússia como agressora, apresentá-la também como influenciadora das eleições na Catalunha para destruir a Europa, apoiando os elementos extremistas. Tudo era mentira, tudo era completamente falso e foi organizado com fakenews e propaganda pelos britânicos.
Não creio que as relações com os Estados Unidos sejam muito diferentes das relações com o Reino Unido, porque, apesar de certa simpatia entre Trump e Putin, Trump não pode sair dos limites do atlantismo e da elite americana. A elite norte-americana não deixa Trump se aproximar de Putin e ele entende isto perfeitamente, por isso [Putin] busca o apoio mais a oriente, na China, no Irã, na Turquia e outros países orientais e com alguns representantes conservadores alternativos antiglobalistas europeus de esquerda ou direita. Por isso, apesar de que Putin não faz grandes coisas para o apoio do movimento alternativo no Ocidente, creio que este movimento de esquerda e de direita vê em Putin precisamente este símbolo da luta contra a globalização, o globalismo, contra a hegemonia das elites liberais mundiais que destroem não apenas o mundo asiático, africano ou latino-americano, mas também a própria Europa.
A Europa começa pouco a pouco a se revelar, como os gilets jaunes na França atual. Putin, como o defensor da ordem multipolar, é o inimigo geopolítico do globalismo e da hegemonia americana, e representa um símbolo nesta luta. Os britânicos estão em pânico precisamente porque a autoridade de Putin cresce no mundo e na Europa. A Europa quer um líder como Putin, forte, popular, que defenda a sociedade e que luta contra os que querem debilitar as sociedades. Creio que hoje Putin seja o líder mais popular em toda a Europa; apesar das pretensões dos liberais e dos oligarcas europeus que querem demonizar Putin, ele não é um demônio, é um líder muito querido na Rússia precisamente porque representa o povo, não tanto as elites, mas o povo.
3- Sobre isso eu quis falar. Durante muitos anos na Europa os líderes se encontraram distanciados dos diferentes povos da Europa porque se encontram ao serviço de organizações internacionais, em muitos casos dentro desta ordem mundial também imposta pelo liberalismo estadunidense, falo de presidentes que seguiam diretamente as diretrizes do Banco Central Europeu, do FMI etc...o domínio dos Estados Unidos sobre a União Europeia e, agora, o fato de que Reino Unido saiu da União Europeia também levou a que os países da União Europeia se encontrem sob controle dos Estados Unidos, evita boas relações de dependência entre Rússia e a União Europeia a nível financeiro, a nível econômico, enquanto Europa necessita de recursos naturais que Rússia possui, e Rússia precisa do financiamento que a Europa tem. Essa ruptura, completamente artificial, é devido ao liberalismo vindo dos Estados Unidos, o atlantismo. Qual é a opção que a ideologia, o movimento Eurasiático, que você tem desenvolvido em seus textos para salvar estas relações entre União Europeia e Rússia, oferece?
Dugin: Sim, estou de acordo que Rússia e Europa têm todos seus interesses regionais comuns ao serem aliados, porque a Rússia contemporânea não tem mais ideologia radical comunista ou socialista, não é mais imperialista ou colonialista como nos tempos passados. A Rússia contemporânea é bastante fraca para representar perigo para a Europa.
Essa fraqueza é muito importante para compreender que Rússia não representa perigo, mas que representa a possibilidade positiva, os recursos, grande mercado para os produtos, investimentos, frandes recursos naturais para apoiar a economia europeia. Graças ao desenvolvimento das relações normais, naturais, entre a Europa contemporânea e a Rússia, que não representa mais este perigo para a Europa, lutam com esta elite liberal dos americanos, porque as elites europeias lutam contra os interesses regionais de seus povos, são não tanto antirussos, mas sobretudo antipopulares e antieuropeus estas elites, são traidores dos interesses regionais dos europeus, e por isso querem trazer mais e mais imigrantes para destruir esta classe média europeia e destruir as sociedades tradicionais e democráticas europeias, querem destruir a Europa essas elites, os governantes atuais da Europa não são europeus, não são representantes dos povos.
Macron, Merkel e todos os demais. Creio que com líderes com responsabilidade, que defendam os interesses da Europa, seria necessário um pacto comum com a Rússia, desenvolver as relações. Contra isso estão mobilizadas as forças antieuropeias e antirussas. Querem mostrar a Rússia como o perigo, como o poder autoritário e totalitário, e creio que o problema com a Ucrânia foi criado artificialmente, precisamente para destruir essa imagem (positiva da Rússia) e provocar a guerra civil dentro da Rússia. Nós somos o povo eslavo, cristão, eslavos orientais. Creio que os líderes europeus que apoiaram o Maydan, este golpe de Estado dos ultranacionalistas, ultraliberais ucranianos contra Rússia, quiseram precisamente destruir completamente as relações entre Rússia e Europa.
Sobre a ideologia, a Rússia atualmente não tem qualquer ideologia, não tem ideologia comunista, nacionalista ou liberal. O Eurasianismo, sobretudo a Quarta Teoria Política, está se desenvolvendo como a teoria política do Estado profundo ou da corrente nacional patriótica independente da Rússia contemporânea, porque no nível das elites a Rússia está na situação de confusão com muitos aspectos do liberalismo dos anos noventa, os restos do comunismo e socialismo, e não está organizada intelectualmente, mas o grupo dos patriotas desenvolveram esta ideia do eurasianismo. A teoria do mundo multipolar, a Quarta Teoria Política, fora do liberalismo, fora do comunismo e do fascismo.
(A Quarta Teoria Política) propõe superar estas teorias do mundo moderno para unir a pré-modernidade com a pós-modernidade, a fim de criar uma crítica radical da modernidade ocidentalista. A Europa precisa desta nova ideologia para sair da modernidade política, no interior da qual o liberalismo mostra sua essência niilista, sua essência suicida; porque o liberalismo, depois de vencer o comunismo e o fascismo, mostrou a essência da própria modernidade na Europa moderna, que representa, como disse Heidegger, o niilismo puro, total.
O liberalismo hoje se mostra como a ideologia totalitária que impõe os princípios da correção política como a forma necessária junto com a política de gênero ou a imigração, que não correspondem em nada aos interesses dos europeus normais, concretos. Contra esta ideologia liberal há que lutar, mas sem cair no comunismo ou no fascismo, que são duas formas superadas desta visão antiliberal. Precisamos de uma forma mais atualizada e totalmente diferente, totalmente fora do comunismo e do fascismo, porque ambos são, também, produtos da modernidade, da Europa moderna e do niilismo que operam com os sujeitos artificiais de classe, nação ou raça, que são artificialmente compostos na mesma medida em que o conceito de indivíduo, que é o conceito central do liberalismo.
Não existe, na verdade, indivíduo nem raça nem classe. Tudo isso são abstrações; existe homo, existe o Dasein heideggeriano, existe a existência pensante, a presença pensante como Heidegger dizia. Precisamos construir a Quarta Teoria Política, baseando-a nesta instância nova e ao mesmo tempo eterna.
4- Sobre esta Quarta Teoria Política, e na verdade que foi muito interessante sua resposta, eu gostaria de lhe perguntar: quais seriam as respostas desta Quarta Teoria Política para os problemas que transcorrem agora mesmo na Europa ocidental, por exemplo, respostas do Eurasianismo frente à problemática migratória que está acontecendo agora na Europa, frente aos movimentos homossexuais e feministas histriônicos que estamos encontrando desproporcionalmente belicosos, frente à questão econômica; falo de salários muito baixos, vida muito cara que cada vez mais está destruindo a classe média que, em muitos casos, se perdeu -- qual seria a resposta para estes problemas citadinos concretos que seriam resolvidos pelo Eurasianismo na Europa ou na América Latina?
Dugin: sim, para começar em ordem, primeiramente deve-se compreender que o problema é o liberalismo, o liberalismo é o mal absoluto. Todos os problemas que afetam hoje as sociedades ocidentais provêm diretamente da ideologia liberal, que traz os imigrantes, que destrói a classe média pela política liberal, que faz com que os ricos se tornem mais e mais ricos enquanto os pobres se tornem mais e mais pobres, sem pensar na justiça social, porque o liberalismo leva ideologicamente, dogmaticamente, a ideia da justiça social. Quando não há mais justiça social. Não se deve estranhar que quando aceitamos os liberais de esquerda e direita, a ambos, votamos para que não haja justiça social.
Deve-se entender que a política de gênero também é consequência direta do liberalismo, porque o liberalismo é a ideologia que insiste que devemos liberar o homem, o ser humano, de todos os vínculos com a identidade coletiva. A identidade coletiva da igreja, da nação, mas também a identidade coletiva do sexo, porque o sexo também é coletivo, identidade coletiva. Os homens e as mulheres são tais como são enquanto coletivos, não individualmente. A política de gênero é a política liberal; em breve, o último passo será o de que ser humano também é uma opção, assim como hoje é a respeito do gênero, da nação, da religião. Isso é liberalismo.
Temos o mesmo a respeito dos imigrantes; são indivíduos iguais aos demais, não há qualquer diferença entre os imigrantes europeus tradicionais, aos olhos dos liberais, porque não existe qualquer identidade coletiva (neles). Esta é a ideia dos Direitos Humanos, que é uma forma de ideologia que destrói o ser humano. É uma ideologia totalitária a dos Direitos Humanos, porque insiste sobre a identificação entre os direitos dos cidadãos e a dos não-cidadãos. Desta maneira, os liberais destroem os Estados, as nações e as identidades, destroem os povos.
O povo começa a compreender que se trata de uma forma de política completamente destrutiva e começa a se revoltar, mas não pode encontrar a ideologia correspondente para explicar e dar um apoio a esta revolução, porque a ideologia de direita, o fascismo, perdeu sua luta historicamente e é muito fácil demonizar os que estão a favor do Estado fascista e acabar com eles; a mesma coisa ocorre com os comunistas, socialistas tradicionais, uns são traidores e aceitaram ser liberais como muitas da esquerda tradicional, e os outros são marginalizados como os stalinistas etc. etc.
A esquerda anticapitalista e a direita conservadora perderam a possibilidade de estarem presentes na estrutura política, e não podemos, nem devemos, salvá-los. A Quarta Teoria Política propõe lutar contra o liberalismo sem se apoiar no fascismo ou no comunismo. Como salvar a situação? Por exemplo, deve-se mudar o poder na Europa, deve-se mudar as elites que estão contra o povo, para que o poder seja tomado por um governo popular, como na Itália.
A Itália é um exemplo. Se a elite não quer sair, deve-se organizar os protestos e as revoluções como na França hoje, com os gilets jaunes, mas é muito importante que a exemplo do êxito ocorrido na Itália, a revolução popular dos gilets jaunes na França não seja nem de direita nem de esquerda. O governo italiano está criado com os populistas de direita e os populistas de esquerda, a fim de criar o populismo integral; os gilets jaunes também não são de esquerda ou de direita, são os representantes do povo. A Quarta Teoria Política quer dar o apoio ideológico, a doutrina ideológica, para que o povo se revolte contra as elites; tudo deve ser mudado, todo este dogmatismo liberal, em todos os aspectos, na economia, na política cultural, na política de gênero, mas não deve ser o retorno para trás, e sim o passo em direção ao futuro.
Podemos imaginar a vida depois do liberalismo, depois dos liberais, depois do fim do dogmatismo e do totalitarismo contemporâneo. Podemos encontrar respostas fáceis para salvar a situação, porque a raiz do problema está precisamente no liberalismo. O liberalismo deve ser aniquilado completamente, os liberais não porque não são responsáveis. Precisamos lutar contra a ideologia, contra a ideia, mais que contra a pessoa; não deve ser brutal, deve ser a mudança ideológica e política acima de tudo, e só depois podemos salvar o problema de quem deve governar, não as identidades dos políticos, dos grupos ou partidos, mas as ideias. Precisamos começar com as ideias e mudar o idealismo.
Somente depois poderemos salvar os problemas, quando os liberais deixarem de estar em seus cargos; enquanto nada puder ser mudado, nada absolutamente, este sistema não tem a possibilidade de evolução. Insistirá sobre seus princípios, imigração ilimitada, política de gênero mais extremista, o enriquecimento dos mais ricos até o momento último da catástrofe; esta elite catastrófica leva a Europa ao abismo; para salvar a Europa desta situação devemos destruir o liberalismo, não os ideais, mas a ideologia e a dogmática.
Com isso, também, devemos entender que as raízes desta situação está na modernidade política europeia, o modernismo; a modernidade que destruiu os vínculos com a tradição, o sagrado, a identidade profunda europeia era o começo do fim.
5 De fato, temos visto, durante um tempo, tentativas por parte de diferentes organizações internacionais vinculadas a serviços secretos ocidentais de introduzir esta ideologia na Rússia com a mão das famosas Pussy Riot, por um lado, FEMEN por outro. De fato, FEMEN foi um dos elementos desestabilizadores nos protestos contra Viktor Yanukovitch. Em chave geopolítica, como poderíamos ler a situação na Ucrânia, a ruptura da Ucrânia, a aparição do Estado da Novorrússia, por um lado, e, por outro, a reintegração da Crimeia ao território da Federação Russa, as relações diplomáticas e de inteligência entre Rússia e Europa, isto é, entre Quarta Teoria Política e liberalismo?
Dugin: Na Rússia, os que se opõem a Putin diretamente, como o Pussy Riot ou outros, não representam o perigo, não são perigosos, são muito pouco conhecidos e sua importância é exagerada demais no Ocidente, são nada. Pussy Riot não representa coisa alguma. Neste sentido, nós chamamos isto de quinta coluna e não representa perigo; um perigo maior representa a sexta coluna, que são os liberais que estão em torno de Putin e que não compartilham de seus princípios, seu conservadorismo ou a ideia da soberania. Eles calcularam que não é possível se voltar contra ele diretamente, sem Putin não é possível conservar sua posição, por conformismo são leais, porém são os representantes da rede ocidentalista-liberal pró-atlantista e representa mais perigo do que a quinta coluna.
A quinta coluna não representa tanto perigo, já a sexta sim é perigosa de verdade. Contudo, mais perigosa é a forma geopolítica. Por exemplo, o fato de que temos vencido a situação na Chechênia não apenas com armas, mas que propusemos aos chechenos uma lealdade à Rússia e, ao mesmo tempo, permitimos que conservassem e desenvolvessem sua própria identidade islâmica e étnica etc. etc.
Kadyrov é leal a Putin, não por sua servidão, mas, pelo contrário, pelo cálculo lógico de que Putin é a única possibilidade de assegurar a independência e a identidade dos chechenos, e porque o Ocidente nunca poderia assegurar o mesmo porque está contra a religião, a tradição, a etnicidade e a cultura tradicional. O Ocidente utiliza as minorias para destruir as grandes identidades, mas depois de destruir as grandes identidades, as grandes nações, acabará com as pequenas, após usar os pequenos nacionalismos contra os grandes nacionalismos. Os chechenos entenderam isto perfeitamente, são leais baseando-se no entendimento de seu futuro, porque são tradicionalistas, são muçulmanos, querem conservar sua identidade, e a Rússia, tradicional, eurasianista, permite esta possibilidade.
O que acontece na Ucrânia? Na Ucrânia, a situação é muito difícil, porque, depois do Maydan, começou a guerra civil entre os povos irmãos, que são dois ramos do mesmo povo dos eslavos orientais, pequenos russos e grandes russos. É catastrófica a tragédia organizada pelos ocidentais atlantistas e os elementos extremistas da Ucrânia ocidental; depois da reunificação com a Crimeia e a declaração de independência das repúblicas do Donbass, a situação é muito, muito difícil. Não é a vitória do eurasianismo, a Quarta Teoria Política, não, de modo algum; é uma tragédia, porque a maioria da Ucrânia permaneceu sob o controle da junta de Poroshenko, dos pró-ocidentalistas liberais e neonazistas ucranianos, e a maioria da população sofre esta pressão de Kiev.
Nós libertamos uma parte pequena da Ucrânia, mas seria muito melhor não libertar, e sim ter uma Ucrânia integral, inteira e unificada, porém neutra ou aliada da Rússia. Não obstante, depois do Maydan não era possível contar com sua neutralidade ou amizade, e era necessário realizar os passos que Putin fez, embora não fosse o ideal. Devo reconhecer que teve muitos erros por parte da própria Rússia, que não entendia a importância da Ucrânia e que não desenvolvera uma política efetiva para salvar a Ucrânia como um país neutro ou irmão. A situação de hoje não é boa para os dois povos, porque não corresponde à visão natural, nem é harmônica, porque a Ucrânia está separada internamente.
Estão os que aceitam a junta e os que estão contra a junta ucraniana, que hoje declarou o estado de emergência e a militarização plena em sua guerra contra a Rússia. Mas é uma provocação, porque Poroshenko perde suas posições e não há qualquer possibilidade de ser reeleito, por isso precisa de um estado de emergência para salvar sua posição política; mas, apesar disso, nada está de verdade decidido na Ucrânia, a situação catastrófica está congelada, mas não está, ainda resolvida.
6- O papel de Lukashenko foi muito interessante nas conversações entre Rússia e Ucrânia. Mas me chama muito a atenção uma coisa, e eu gostaria de perguntar sobre isso, e é o fato de que com Crimeia, a Rússia assegura uma posição de superioridade no Mar Negro, porém, realmente, também Sebastopol é o início de uma rota muito interessante que termina em Tartous, na Síria. Estaríamos dizendo que Sebastopol era necessário para assegurar o interesse russo tanto no Mar Negro quanto no no leste do Mediterrâneo, e para poder ter uma rota segura para a Síria, a fim de ajudar o presidente legítimo Bashar al Assad dentro da guerra que está lutando contra os mercenários e grupos terroristas pagos pelo Ocidente?
Dugin: Sim, acredito precisamente nisto, e que a Síria era necessária não apenas para assegurar os interesses estratégicos da Rússia, mas também para acabar com esta hegemonia ocidental de destruição de países árabes; era necessária para poder fim ao unipolarismo, porque os americanos destruíram Afeganistão, destruíram Iraque, sem quaisquer explicações, e depois interviram na Líbia e mataram o presidente Gaddafi, depois começaram a fazer o mesmo no Egito e na Síria.
Era necessário, era absolutamente necessário acabar com isso e demonstra que existem outras potências que não estão de acordo com estas maneiras de intervir onde bem entenderem, matando líderes, querendo impor sua visão vem perguntar as população, criando massas de refugiados, imigrantes, criando o caos, governar com o caos. Rússia interveio na Síria não tanto para assegurar seus interesses nacionais egoístas, mas para pôr fim ao caos organizado ou manipulado que os Estados Unidos e o Ocidente, os liberais globalistas usaram em toda parte com as revoluções coloridas, com as redes apoiadas pelo fanático, totalitário, maníaco, terrorista Soros, cuja organização Open Society é criminosa. Ele apoiou feitos ilegais e se trata de uma organização terrorista, sendo reconhecida em alguns países como organização terrorista, George Soros é mais perigoso que Bin Laden.
É o perigo à estabilidade dos países, à liberdade, à lei, e deve ser julgado. Deve ser preso e julgado por seus feitos, seu apoio ao terror e às mortes da gente, milhões de pessoas que são vítimas das revoluções organizadas com seu apoio, suas redes, seus grupos de influência e financiados por este grande capitalista, é um criminoso número um.
Isso acontece na história: se começas a lutar contra Hitler, pouco a pouco surge um Hitler em ti mesmo. Esta velha história da transformação do herói que luta contra o dragão e se converte ele mesmo em dragão. Soros é a demonstração desta forma de loucura, porque seu antifascismo e anticomunismo pouco a pouco se tornaram fascistas e comunistas, totalitário. Sua luta contra o totalitarismo é totalitária e se transformou na nova forma de totalitarismo. Por isso creio que nossa intervenção na Síria foi a intervenção contra esta forma de governo pelo caos imposta aos países árabes pelo Ocidente.
E era o caminho necessário para a afirmação da ordem multipolar das coisas, e Putin é a forma e a garantia não tanto para o presidente Assad, mas também para todos os povos árabes para elegerem. Podem optar pelos Estados Unidos, pela Rússia ou pela China, com isso obtêm a liberdade de escolha, creio que a Rússia se torna mais e mais o polo mais atraente, simpático quase a todos os grupos no mundo. Os árabes eu vejo, mais e mais, os representantes dos países muçulmanos que vêm para Moscou para encontrar com os representantes russos e estabelecer contatos conosco, e estão muito interessados na Quarta Teoria Política, no Eurasianismo e na Teoria do Mundo Multipolar.
7- De fato, isso explica as boas relações entre a Rússia e outro Estado do Oriente Médio, como o Irã. É mais para os muçulmanos em geral o exemplo da Chechênia como comentávamos há pouco, o respeito que se oferece desde Moscou em relação a Grozny, e como Ramzan Kadyrov responde a este respeito com uma lealdade total. Pois também está penetrando nos países islâmicos, porque, obviamente, a diplomacia russa é muito mais sofisticada, muito menos agressiva que a norte-americana ou liberal, mas, ao mesmo tempo, consegue muitas más coisas; ganha a adesão destes países e, para is terminando, gostaria de perguntar sobre George Soros e sua implicação nesta onde de imigrantes que atravessaram os balcãs desde a Turquia e chegaram no centro da Europa, falamos de entre um e dois milhões de pessoas. Como Soros instrumentalizou este problema dos refugiados e como ele e certos serviços de inteligência penetraram em países europeus e nos submeteram a seus planos de introdução destes refugiados que vêm de fora da União Europeia?
Dugin: Seria, a meu ver, um erro identificar gentes como George Soros como estando a favor do islã e que desejam desenvolver ou fortalecer a influência muçulmana na Europa. Soros é o inimigo jurado de todas as religiões e tradições, dos valores verticais transcendentes do cristianismo, do islã, mas também do judaísmo, porque Soros está muito mal visto em Israel também.
Soros é um fanático dogmático do liberalismo que quer destruir todas as identidades coletivas, todas. Precisamente o livro que é mais caro a Soros é o livro de Karl Popper, que Soros considera seu mestre, que se chama "A Sociedade Aberta e seus Inimigos"; os inimigos da sociedade aberta é a gente que tem religião, pátria, identidade, consciência de classe, nação, valores tradicionais. Todos são representantes para esta ideia do liberalismo radical extremista, eles são os inimigos.
Para destruir a Europa com os valores tradicionais e sua identidade, Soros quer, praticamente, organizar esta corrente de imigração artificial para destruir a identidade europeia, mas com os imigrantes, que representam outras sociedades tradicionais religiosas como islã e outras tradições. Os curdos tradicionalistas, e tenho visitado o Curdistão, são profundamente tradicionalistas, mas quando chegam na Europa, os curdos, afegãos, árabes, africanos, sírios, todos, todos perdem sua identidade e começam a se dissolver em sociedade pós-moderna, liberal, de gênero, perdem sua religião ou transformam esta religião na forma radical, na caricatura do islã.
Porque o islã, sem o ambiente cultural oriental, se transforma em uma caricatura, um simulacro. Precisamente esta é a ideia de Soros e suas redes, destruir ambas as identidades. Destruir a identidade da sociedade europeia com os imigrantes de identidades opostas ou diferentes, e assim também destruir a identidade dos povos tradicionais do Oriente, como muçulmanos principalmente, ou ainda africanos, com esta confusão na sociedade pós-moderna europeia. Depois de voltar da Europa para seus países, os imigrantes levam com eles também os aspectos desta pós-modernidade que destrói sua identidade. Soros quer destruir todas as sociedades tradicionais, todas as identidades coletivas, porque a identidade coletiva é o inimigo maior da sociedade aberta.
É seu fanatismo, mas Soros é muito forte que representa parte do governo mundial, sua força não é tanto seu dinheiro, mas seus princípios liberais. O liberalismo é uma ideologia criminosa, e Soros é um dos manipuladores, por detrás dele estão Rothschild, Rockefeller, os grandes monopólios globais, o governo mundial que em sua campanha eleitoral Trump declarou que esta era a coisa mais poderosa, maior que o presidente dos Estados Unidos. A organização é mais forte que os Estados Unidos, seu exército... sua estrutura é mundial, a seita dos globalistas, e Soros é um dentre os quais controlam toda a terra atualmente.
Por isso têm também relações com os serviços secretos, governos e chefes dos Estados que são seus escravos. Macron foi posto por Rothschild, Macron é um algoritmo. O homem é um servo, uma forma de ordenador, é virtual, criado por gente como Rothschild e Soros, por isso a maioria dos deputados europeus estão pagos por Soros, para promover a agenda de destruição das identidades coletivas, por isso é muito perigoso.
Os povos não são livres até o momento em que este governo mundial caia, precisamos lutar todos contra este governo em todos os países. Temos o governo italiano, temos na Hungria a Orban, temos Vladimir Putin com o apoio do povo russo, temos Irã, temos em novo curso Erdogan, temos a grande China que representa a potência, a segunda economia do mundo, que rechaça e nega esta hegemonia unipolar, este globalismo ocidental. Temos Trump, Bannon, temos a revolução da América profunda que se mostrou nas eleições de Trump, temos muito, mas não devemos subestimar sua força atual.
Os grupos do Soros são muito poderosos, podem influenciar os governos. Tenho esperança de que um dia na Espanha também apareça a frente populista comum entre a direita populista e a esquerda populista, mas precisará superar o antifascismo e o anticomunismo, porque servem aos liberais para dividir entre os populistas de direita e de esquerda, portanto em luta comum contra os liberais, os populistas podem ter vitória.
8- Para ir terminando, por exemplo, desde a frente liberal, desde a União Europeia, existe uma tendência de alarmar a população sobre o papel da Rússia, sobre a infiltração da Rússia na U.E., o papel da Rússia no movimento de extrema direita, movimentos de extrema esquerda, no nacionalismo catalão etc...., mas quando nos atemos aos fatos, vemos que o peso dos lobbys em Bruxelas recai sobre os Estados Unidos, apenas Rússia tem presença em Bruxelas ou Londres. Temos que ver, por exemplo, que a União Europeia está fagocitada pela CIA e pelo MI6. Ao mesmo tempo, qual é a maneira que a Rússia terá de aumentar sua presença na Europa Ocidental? por exemplo, temos o canal Russia Today, mas essa presença da Rússia aumentando na Europa Ocidental não pode fazer com que os liberais busquem uma guerra com a Rússia, que estão desejando-a, atendendo aos fatos que estamos vendo com a expansão da OTAN em direção a leste, a presença da OTAN na Estônia, Letônia e Lituânia e a situação na Ucrânia?
Dugin: Sim, é tradicional para os criminosos dizer que as vítimas são os criminosos eles mesmos, por isso os serviços secretos britânicos que se ocupam das fakenews, de acusar a Rússia de intervir nas eleições, apoiar os movimentos radicais. São eles que fazem estas coisas, que se ocupam da desinformação, da propaganda, das provocações etc. etc. isso é tradicional.
Eles querem fazer da Rússia o monstro ou o inimigo, dizendo que a Rússia quer dominar a Europa Oriental e Ocidental etc. etc., todos estes mitos existem para não mostrar diante dos olhos dos europeus o verdadeiro inimigo, que são os liberais. Querem mobilizar a consciência europeua contra a Rússia porque não representa qualquer perigo, não representa tampouco a salvação nem a alternativa, entretanto, o que é seguro é que a Rússia não representa perigo.
Se não representa o perigo, qual é o grande problema? Pois é o governo que é completamente incapaz de satisfazer os interesses dos povos, e Rússia não têm nada que ver com tudo isso, por isso creio que os europeus conscientes devem compreender que se trata de propaganda pura, mas não de propaganda russa, porque os russos não estão promovendo propaganda. Russia Today e outros meios dizem mais verdades, mas não se trata de propaganda. Não dizem que Rússia é o melhor de tudo ou que as ideias da Rússia devem ser aceitas pelos demais, nada que ver com a propaganda liberal, a propaganda comunista ou fascista.
A Rússia se defende com esses meios e também mostra outra versão, outra posição, não é propaganda. É muito neutro. Creio que importa compreender mais e mais uma coisa: o que de fato a Rússia pode ser -- não é amiga da Europa ainda, não é inimiga nem o perigo. O perigo maior são os liberais. Depois de entender isto, amar ou odiar a Rússia não importa nem para os russos nem para os europeus. A Rússia é uma civilização à parte, ao lado.
Pode provocar interesse, simpatia, amor, ou pode ser totalmente indiferente para os europeus, mas qual é a verdade concreta? que Rússia não representa perigo. Não quer e não pode invadir a Europa ou submeter a Europa Oriental, não temos tantos desejos ou capacidades. Não queremos e não podemos fazer isto. Não somos mais comunistas nem imperialistas, somos russos que queremos defender nossa identidade e nossa soberania nacional -- e isso é tudo.
Isso é mais importante, mas é verdade que, depois disso, o problema europeu se tornará totalmente diferente, o problema serão os liberais, o governo mundial da maneira que não corresponde aos interesses de seus próprios povos. Por isso creio que não são o problema os grupos extremistas. Os verdadeiros extremistas são a gente do Soros, são os liberais que organizam e utilizam, às vezes, estes grupos como utilizam o radicalismo islâmico, wahabismo, salafismo, fundamentalismo, muçulmano para chegar a seus próprios interesses e ter a razão de intervir em todos os países para desestabilizar a situação nas sociedades. Eles são os verdadeiros criminosos, a Rússia é o poder neutro que luta para sobreviver e pelo mundo multipolar -- não bipolar, mas multipolar, o que é muito importante.

domingo, 11 de novembro de 2018

Neomania -- A Obsessão pelo Novo

Related image

Por Roberto Pecchioli

A obsessão por tudo que é novo é uma das mais surpreendentes características da nossa época. É uma mania, uma verdadeira e própria patologia de massa, uma doença da alma, a neomania. E estão conscientes disso também os intelectuais do campo progressista. Escrevia o comunista ortodoxo Alberto Asor Rosa há vários anos atrás: vivemos um presente caracterizado pela ausência de uma regra e pela presença de muitas regras transitórias. Tudo deve sempre ser novo, inédito. O psicanalista Massimo Recalcati observa em uma página que confundimos o "novo" com o diverso, uma fuga do "mesmo" que nos entedia, cuja tensão com qual nos impulsionamos em direção ao novo é uma fuga de uma carência, de uma ausência que nos aflige.

Ainda mais explícita é uma passagem de uma antiga Enciclopédia da Moda, segundo a qual "é com o advento da sociedade capitalista que coincide o surgimento daquele tipo de obsessão pelo novo, ou neomania, da qual a moda de vestidos representa um dos aspectos mais vistosos". Trata-se de uma verdade parcial, cujo núcleo da questão escapa.

A mania pelo novo é filha da ruptura antropológica da modernidade com todo o passado, o símbolo e a consequência da perda da dimensão espiritual e transcendente do homem ocidental. A busca constante pela novidade se torna um antídoto contra a angústia para uma humanidade privada da parte mais elevada de si mesma, um efeito placebo que impõe doses sempre mais altas do "novo". Um vício extra, que exorciza a ansiedade e a falta de sentido, criando um eterno presente.

Albert Camus intuiu alguma coisa, para quem o futuro é a última transcendência do homem sem Deus. O autor de O Estrangeiro e A Peste, ateu, não podia reconhecer que todo o futuro, para o homem moderno, é a porta aberta para o Nada. É o Novo o verdadeiro substituto da transcendência, o substituto da esperança perdida dos indivíduos transformados em elementos estatísticos (Gabriel Marcel), que sofrem de angústia, "a disposição fundamental que se coloca diante do Nada" (Heidegger). Condição da modernidade falsamente iluminada pelas Luzes, a descarga de adrenalina obrigatória que consente em suportar a insatisfação do presente sem precipitar no escuro.

Neste vazio existencial se insere a psicologia de massa da sociedade de consumo, que produz insatisfação ao vender desejo, irmão espúrio do futuro. Se nos mudamos frequentemente, se a mudança a consideramos positiva a priori é porque procuramos algo que não é encontrado, que na verdade não deverá ser encontrado. O objetivo do novo é a viagem, o panorama sempre diverso do viajante em fuga de si mesmo. Ele não suporta o vazio, saturado de abundância de objetos. O desejo do novo é a expectativa do gozo que não será satisfeito, resignado ou disponível para experiência ulterior, "novo", mas em verdade o desdobramento do idêntico. A experiência sempre renovada é aquela do consumo, ou do desperdício, do exaurimento, da dissipação.

Grotesca é a atitude dos fãs de novidades tecnológicas, prontos para encarar filas quilométricas para garantir os primeiros exemplares dos aparatos que em poucos meses serão substituídos por novos e mais novos. Bárbaros induzidos a recomeçar pela pobreza da experiência ultrapassada e não vivenciada, indiferentes à evidência que o novo brilhante se torna em breve se torna antiguidade e às vezes faz o velho reaparecer sob novas formas, na pós-modernidade fatigada e pouco criativa, exaurida em ideias, reduzida a reforma, remake, imitação, do modo como a arte depois do Renascimento. O novo detesta o silêncio, a introspecção, antecâmeras da angústia. Sua forma é o ruído indistinto, o zumbido confuso de vozes, porque o novo tem a obrigação de romper o silêncio.

A neomania é compulsiva e neurótica como a triunfante sexualidade do consumo. Mudar de cônjuge para viver uma experiência nova, tratando a si mesmo e o outro como coisa, objetos de consumo. Tudo envelhece cedo, ninguém parece longe, a dimensão do espaço e do tempo se confundem. A neomania é também a adoração de um ídolo, o Progresso, cujo culto coincide com aquele da Razão. Ele não deve ser discutido e menos ainda limitado, sua marcha é imparável; o novo é bom mesmo se amanhã ele já estará velho. Tudo deve ser feito segundo a nova moda, a nova descoberta, a nova tecnologia, ao modo hodierno, significado literal de uma palavra eternamente ambígua, modernidade. Em um poema famoso, Addio, o poeta simbolista Arthur Rimbaud o sintetiza em versos dramáticos: "Deve-se ser absolutamente moderno. Apenas cante: segue o passo. Dura noite! O sangue seco esfumaça em minha volta, e não há coisa alguma atrás de mim". De fato, o novo não tolera nada atrás de si, pretende tábula rasa para seu breve triunfo.

O novo tem por missão induzir em tentação, prever a tentação contra a qual não é concedido resistir. Nisto consiste o livre arbítrio de hoje, dar um consenso entusiasta e efêmero a toda novidade, evitando a tomada de sentido, a reflexão sobre o bem e sobre o mal. Qualquer coisa que podemos tecnicamente fazer deve ser feito e experimentado. No máximo, a questão é: posso me permitir? A resposta está também ela mesma no novo. As fórmulas de consumo de dívida mudam continuamente e promete acesso ao mundo brilhoso da última descoberta, do produto "definitivo", aquele 2.0. Passada a festa, clamou o santo: chega o modelo 3, depois 4.0 e a roda continua. É essencial que a nova ideia, os novos bens, o comportamento inédito quebrem temporariamente a solidão de tantos indivíduos idênticos que se sentem únicos. A idolatria do novo resulta em desprezo pelo passado. A escuridão por definição, povoada por homens e mulheres sem um telefone e inconscientes da conexão online, produz um particular tipo de angústia: eu não estava lá, no passado; esta insustentável ausência do "eu" é uma característica desconhecida para outras épocas. A única terapia é a remoção forçada através da descarga elétrica da novidade.

Pelo contrário, o princípio fundamental da vida é a conservação, a tendência que em biologia se define homeostase, ou a inclinação natural à realização de uma certa estabilidade interna e comportamental, uma disposição que une todos os viventes mesmo que as condições externas mudem. Na política como na cultura, depois da Revolução Francesa o conservador é zombado, declarado anacrônico (a obrigação de estar "à altura dos tempos"), a definição mesma é uma condenação preventiva, um meio de excluir do debate. John Stuart Mill, um dos patriarcas do liberalismo, definiu os conservadores como "o partido estúpido". A neomania é uma naturalização progressista, convencida da perfectibilidade ilimitada do homem e das coisas. Ela não crê no limite do homem, na sua imperfeição, e assim está necessariamente em guerra contra a natureza. Ela torna absurda a ideia de que existem princípios permanentes.

O novo impõe a transgressão, isto é, a violação do comportamento comum. Seus adoradores transgridem disciplinadamente seguindo as regras "novas", em uma corrida ridícula para romper [com a normalidade], transformada em conformismo inconsciente. A ordem, o ético, o civil, natural, pessoal, é detestado como expressão da estabilidade. Vêm aplaudir os falsos profetas que proclamam a relatividade de todo princípio, sustentando que todos provêm da vontade e do desejo. O paradoxo é a exaltação do último valor na ordem do tempo, o mais "novo".

Odiar tudo que é permanente gera instabilidade, destrói todo padrão elevado e reduz o mundo pretensamente civilizado ao satisfazer os fúteis e momentâneos desejos materiais, sem distinção entre necessidades, direitos, caprichos, esquisitices e impulsos infernais. O chamado à razão humana como único critério de juízo se resolve no seu contrário, uma irracionalidade arrogante que nega a tendência natural da humanidade à violência e aquilo que uma vez se chamava pecado. A razão se transforma em instinto, o determinismo se torna guia para o bem social, a religião vem a ser refutada e as mais diversas ideologias e crenças tomam o seu lugar. Além disso, desde que tem a auréola do novo, o homem que não crê em nada está disposto a crer em tudo (Chateaubriand, O Gênio do Cristianismo).

O novo, enfim, se tornou um direito. Isto de tomar qualquer coisa como sendo a mesma, lançando alto todos os dias o impulso do desejo. Tudo deve ser "avançado", como a tecnologia atual, cujo destino é se tornar atrasada com a próxima descoberta, a futura explicação que, enquanto "nova", será objeto de insatisfação daquele que não a possui, de inveja e de desejo. Está claro a degeneração de todo sentido moral em um mundo dominado pelo novo. Qualquer ética tem o defeito de ser persistente, de se crer verdadeira e permanente, de imprimir um sinal forte.

Alguns elementos da neomania surpreendem mais do que outros. A renovada popularidade das tatuagens, por exemplo, pode ser explicada pelo o desejo de se ser criador de si mesmo a partir do aspecto exterior, mas como se se concilia com a permanência durante a vida da tatuagem? Evidentemente, o impulso gregário do conformismo é potentíssimo, ou a confiança no "novo" é tão difundida que convence que as futuras tecnologias permitirão que se remova o nome dos cônjuges não mais amados, as frases que eles não gostam mais, os símbolos caídos em desgraça. Além disso, o objetivo é sempre a emancipação, a liberação das velhas crenças e dos juramentos do passado.

O amante do novo prensa que se alegra e deseja em plena liberdade, com autossuficiência e auto-governo de si. Ele não suspeita de estar submetido a novos ídolos e de ter decretado a vitória do Id, segundo Freud a força impessoal que "vive" e contém as pulsões agressivas e autodestrutivas. A aplicação, da parte do sistema de poder político e econômico, da descoberta da psicologia de massa, determinou uma aceitação geral de tudo que é novo como sendo melhor, fruto do progresso, da liberação humana. Um reflexo condicionado positivo é alimentado a respeito de qualquer inovação, pronto para dissolver a resistência ligada aos princípios morais e para construir um sentido comum orientado para o consumo, para o desejo, para o instinto dos pulsões.

Na espécie humana largada por si mesma ou condicionada a responder unicamente ao instinto -- pelo qual é exonerada através da civilidade, a abertura à transcendência e a adesão racional ao verdadeiro e ao justo -- os desejos são vorazes, ilimitados e por vezes sanguinários. A razão abstrata, que se tornou universal para o propósito da dominação e do enriquecimento, produziu uma irracionalidade difusa fundamentada no desejo compulsivo do novo: a neomania. O homem comum é induzido a confundir os direitos com os desejos, a perseguir a indisciplina espiritual, a refutar o senso do limite e a negar a validade de qualquer princípio geral. O conformismo mais deprimente é chamado de juízo pessoal, a disciplina consumista e novista é chamada transgressão.

Sobre todas as coisas, reina uma mania de refutar tudo que é considerado antigo, exaurir, jogar fora. Abandonado o velho, o novo é rapidamente consumido; não resta nada senão desfazer-se, jogá-lo no aterro material e espiritual que nos circula, mas que não percebemos mais como tal. A luz do novo a ser mordido e consumido brilha como um poderoso farol que impede a vista de tudo que está em torno de seu raio, engolido por uma sombra da qual nos retiramos angustiados, em busca de uma alternativa capaz de afastar os pensamentos ruins, de uma aceleração do desejo, do novo que promete um outro início; e o jogo continua.

O novo enfatiza o movimento; pouco interessa a direção e o sentido. Isto entendeu Goethe em sua época, que fez Fausto dizer, o homem febril, o primeiro conscientemente apaixonado pelo novo que avança, dizer "no início era a Ação", destronizando o Verbo, Deus, o permanente. A adoração do novo caracterizou a arte do início do século XX, abolindo as formas clássicas e a mesma figura humana. A novidade enquanto tal foi o programa do futurismo. O manifesto de Filippo Tommaso Marinetti de 1909 inicia com uma afirmação que atravessa toda a civilização ocidental sucessiva: afirmamos que a magnificência do mundo é enriquecida por uma beleza nova: a beleza da velocidade.

A palavra-chave do adjetivo novo e o substantivo velocidade. Reunidos, eles representam o único polo sobrevivente da nossa decadente civilização. Tudo deve ser novo e rápido, ao "tempo real", o imediato da informática. As leis do homem não escapam ao ataque. Nada é destinado a durar, o reformismo é louvado a prescindir, mudar, renovar é o gesto de que se projeta "adiante". Duradouro é um vocábulo indesejável, primeiro aos padrões do mundo, interessados em que as ideias e coisas se tornem logo obsoletas. É claro que se o novo é mais veloz do que o antigo, desvanecerá facilmente em algum momento, muitas vezes antes que se possa avaliar os efeitos, com o risco de extraviar o lado positivo daquilo que muda.

Enfim, paira sobre o novo um materialismo sufocante, a obsessiva aspiração ao apagamento dos sentidos, à mediocridade justa de si mesma, à dissolução de todo vínculo. É como se fôssemos nus de alma e nos despíssemos com pressa para nos libertarmos, não as roupas, mas nossa história e nossa personalidade, a fim de assumir uma nova para todo o dia, Zelig compulsivo forçado à novidade. O grande romancista escocês Walter Scott, estandarte do pensamento conservador, previu o resultado da neomania já na primeira metade do século XIX: "poucos são melhorados, muitos são piorados. Nossos desejos se multiplicam e estamos aqui para lutar com cada vez maiores dificuldades graças à força de repetidas invenções. Ao fim teremos que devorar uns aos outros, ou, como outrora, haverá na terra a queda de um cometa?"

A resposta está na obstinação desesperada com a qual algum homem conserva a certeza que em princípio não era a ação ou a matéria em movimento, mas o Verbo. A mania do novo, a mudança a todo custo produz o sono da razão e o precipício do espírito. Lucifer mesmo era um belíssimo anjo cadente e a verdade, dizia Nikolay Berdyaev, é o redespertar do espírito no homem. O velho que salva.

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Um Chamado ao Povo Brasileiro


O Portal Legionário está acompanhando o cenário de protestos por todo o país devido à greve dos caminhoneiros e reafirma, como já o fizera em nota no Facebook, que está de pleno acordo e está colaborando para que ela atinja seus objetivos.

Estamos cientes e comunicamos a falsidade de grande parte das informações promovidas pelo governo e pelas maiores mídias do país. Os protestos não estão diminuindo, a greve NÃO ACABOU. Muito pelo contrário, os caminhoneiros em todo o país estão mantendo as avenidas bloqueadas e, além disso, aumentando o contingente.

O exército e a Força Nacional ainda não decidiram sobre intervenção, e dificilmente poderão conter um país inteiro, mesmo que quisessem [1]. Quanto às polícias, elas declararam total apoio às manifestações, unindo-se à população [2].

O TRE de Pernambuco declarou paralisação, e a tendência é isto se disseminar em outros estados.

Para quarta-feira, dia 30/05/2018, está declarada a paralisação da Federação dos Petroleiros [3], que pedem a expulsão do diretor da Petrobras, Pedro Parente, e a força estatal para controlar os impulsos do mercado de controlar os preços conforme seus interesses. No Whatsapp o povo clama por uma greve geral, que pode vir a se avolumar juntamente com estes últimos.

O Portal Legionário espera que as paralisações estejam apenas começando, e clama a todos a se preparar para um cenário anárquico, caso isso tudo se estender. E isso é bom? Afirmamos que SIM. O que á anárquico sob um governo que não é outra coisa senão um posto avançado de potências internacionais e escravistas é, sob a nossa perspectiva, uma chance de tomarmos o controle de nosso país enquanto povo.

Mas devemos nos perguntar, enfim, como tomar este controle?

Muitos do povo clamam pela intervenção militar, mas nós do Portal Legionário afirmamos que isto seria uma medida benéfica ao próprio Temer, Pedro Parente e demais bandidos que estão no poder. As FFAA não têm um plano de governo soberano e jamais saberiam fazer outra coisa além de manter a "ordem", isto é, o caos controlado orquestrado pela CIA, NSA, OTAN, Israel na América Latina.

O objetivo das manifestações deve ser a convocação geral para uma marcha em direção à Brasília e a posse popular dos prédios e do poder. O objetivo deve ser a expulsão da atual gestão e uma imediata guinada nacionalista nas escolhas econômicas e políticas, externas e internas, rumo a um projeto de nacional-desenvolvimentismo soberano, que desenvolva uma indústria nacional independente do FMI e do mercado financeiro, robusto, poderoso. Exatamente o oposto do que a atual gestão está fazendo, primando pelo sucateamento dos serviços, o corte dos gastos públicos, em benefício de algumas famílias milionárias, bilionárias e trilionárias, que lucram com o alto preço e os subsídios estatais, como lucrariam também com esse imundo acordo proposto pelo governo com os caminhoneiros[4].

Clamamos a todo o povo, de todas as classes, a se unir às manifestações. Aqueles que se colocarem contra as manifestações só porque alguns que participam estão pedindo intervenção militar, ao invés de participar e colaborar para o conhecimento popular, devem ser tratados como traidores da pátria.

Esses protestos não devem ser mais em vista de interesses particulares de tal ou qual classe. É uma missão que o povo brasileiro deve tomar para si de fazer o necessário para retomar tudo o que dele foi tirado ao longo dos anos.

Escolhemos a imagem do Mad Max porque é este o cenário que deve nos chegar. Chega de levar nas costas, povo brasileiro, precisamos mostrar para o mundo que estamos prontos para ir ao inferno e resgatar de lá nossa dignidade raptada! Mostraremos que, embora as ameaças contra nós sejam grandes, somos capazes de ir ainda mais longe, de mergulhar águas ainda mais escuras, lá onde o inimigo será incapaz de nos vencer.

Viva Brizola, e vamos para a guerra, povo!
Salve o Brasil!

[1] General diz que efetivo da Força Nacional é insuficiente. http://www.gazetadopovo.com.br/politica/republica/general-diz-que-efetivo-da-forca-nacional-e-pequeno-para-atuar-nas-liberacoes-das-rodovias-9hfq59fzshwljqeyguk2sq1ch
Notícias veiculam a fragilidade do Exército e das polícias com relação aos combustíveis.

[2] Polícia Rodoviária Federal se une aos caminhoneiros http://arede.info/cotidiano/215098/sindicato-da-prf-manifesta-apoio-a-caminhoneiros

[3] https://www.diariodobrasil.org/petroleiros-anunciam-paralisacao-nacional-a-partir-de-quarta-feira-agora-e-pelo-povo/

[4] O governo cortaria 3,8 biliões de gastos para custear o valor alto que o mercado está cobrando na importação. Cortará onde, se não for DE NOVO na educação, na saúde, etc.? NÃO TERÍAMOS ISTO CASO O PRÉ-SAL NÃO TIVESSE SIDO SUCATEADO E OS SERVIÇOS PRIVATIZADOS. https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2018/05/28/diesel-mais-barato-vai-exigir-corte-de-r-38-bi-do-orcamento-diz-ministro.htm

domingo, 22 de abril de 2018

Eleições 2018 e a Questão Brasil


Leonel Brizola durante a Campanha da Legalidade, com fuzil na mão
Por Álvaro Hauschild

O Brasil passa, atualmente, por uma crise de natureza que supera todas as questões corriqueiras, como a economia, a estrutura sócio-política, a moral, etc. Todas estas questões, cada vez mais específicas e individualizadas, separadas de todo o resto nos debates e nas intenções de intelectuais, políticos e do próprio povo, são, na verdade, manifestações de um mal maior, portanto devem ser estudadas como elementos interligados e subjacentes a princípios transcendentes.

A crise do Brasil é uma crise espiritual, que vem crescendo ao longo da história, 1) em primeiro lugar por culpa da inação do povo e das autoridades diante das rédeas do país. O Brasil nunca teve um projeto para robustecer por si mesmo e tomar seu espaço na conjuntura internacional e para inspirar as massas enraizadas em uma identidade própria. Houve na história, no melhor dos seus momentos, um Getúlio Vargas, que, contudo, não foi capaz de compreender o Brasil no seu todo nem erigir um projeto nacional-desenvolvimentista suficientemente soberano, para sanar as contraditoriedades internas e sua posição no cenário internacional. Ao mesmo tempo, o povo brasileiro, que, por lógica, deveria ter ativamente participado para resolver seus problemas diante da fraqueza das autoridades, permaneceu entregue à passividade cultural e aos prazeres do consumismo fácil, do oportunismo e da selvageria anti-patriótica. E, 2) em segundo lugar, a crise espiritual do país vem recebendo intensiva influência de fatores externos, cujo objetivo é destruir toda possibilidade de união e cura dos seus problemas internos, que redundaria, certamente, no surgimento de um poderoso adversário internacional e, ao mesmo tempo, de um país-continente capaz de proteger os recursos naturais e étnicos, não apenas do seu país, mas também de seus vizinhos parceiros.

Visto isto, se os brasileiros, que compõem as vítimas de uma crise tanto interna quanto externa, quiserem resolver suas próprias vidas, sanar suas angústias internas, subjetivas, eles devem atentar para os fatores que contribuíram para sua degeneração completa, e lutar para resolvê-las corretamente, com um olhar amplo sobre o todo corpóreo, tal como a medicina antiga, que descobre na dor de um órgão a decadência de um corpo por inteiro, que muitas vezes tem origem lá onde menos se esperaria quando se lança um olhar muito breve e localizado.

Segundo nossa introdução, podemos diagnosticar os fatores para nossa crise, que se multiplica desde manifestações subjetivas, individuais de cada brasileiro, até os níveis institucionais e sociais. Tudo caduca e sofre, tudo degenera e se decompõe. Estes fatores se resumem, tanto interna quanto externamente, tanto por parte das autoridades quanto por parte do povo, no que podemos definir como o problema da soberania do nosso país. Todos os fatores presentes na nossa crise são fatores de decomposição da soberania, isto é, do auto-controle sobre recursos, instituições e atividades sociais diante das contradições internas e das interferências externas. Os brasileiros, porém, estão inativos; enchem as ruas, as mensagens pela internet, as redes sociais, claro, mas até agora essas convulsões só trouxeram desordem generalizada, confusões e descrenças, promotoras de fakenews e divisões internas. A inação do brasileiro é com relação a um esforço inspirado e ascendente capaz de arquitetar uma rebeldia eficiente e tomar o controle de sua situação. E é aqui que os problemas, para além de todos os elementos expostos, se tornam manifestações de um problema espiritual.

A Figura do Líder

O povo brasileiro sente, consciente em alguns e inconscientemente em outros, a falta que temos de figuras de liderança, que inspire e lidere, guiando as massas à luz, à solução dos seus problemas subjetivos e, consequentemente, objetivos. Ao mesmo tempo em que temos esta falta, a ausência, temos a necessidade dessa figura, pois só ela é capaz de tirar as massas do buraco individual que sufoca cada um, reunindo-as a uma unidade orgânica capaz de articular soluções em conjunto. É só o líder, um homem com autoridade acima de todos, que é capaz de uma tal façanha.

Mas, ao mesmo tempo que o povo sente esta carência, ninguém do povo toma para si, seja em grupos aristocráticos ou em personalidades individuais, a missão de liderar. Todos querem ser liderados, e se atiram passivamente a toda personalidade agressiva e odienta que se apresenta no cenário público. Esquecem que a liderança se faz de dentro para fora; para que haja líder, é necessário que, no mínimo, uma pessoa, em uma atividade suficientemente ascética, se sacrifique em nome de todo um conjunto e um ideal. O líder é um sacrifício aos deuses, e não surge sem dor.

O desconhecimento disto, ou então a negligência do povo para com o que realmente está em jogo, o faz passivamente adorar personalidades vazias que oferecem em troca da adoração qualquer coisa de fútil e de medíocre: a fama, o dinheiro, o poder em geral ou então o prazer de ser idolatrado junto dele, conforme os vícios e os pecados que cada um carrega consigo.

Surgem então figuras falsas de todos os lados, cada um representando um grupo inorgânico, como o Lula, da esquerda, e o Bolsonaro, da direita. Uma maior plurificação do debate, cada vez mais vazio, tornam possível o surgimento de figuras ainda mais vazias, cada vez mais vazias, como é o caso do Amoêndo do partido Novo, representando os anarco-capitalistas. Cada um tem uma bandeira completamente aleatória: um é símbolo da “esquerda” (entre aspas, porque não existe uma tal “esquerda”, com ideais e objetivos suficientemente bem delimitados) e grita a plenos pulmões pelo progresso do feminismo; outro, da “direita”, pela pátria; outro, ainda, pela preservação individual. Diante dessa constante plurificação, a questão que se deve fazer, em primeiro lugar é: em que perspectiva estas bandeiras conflitantes realmente conflitam entre si? O silêncio como resposta, a dúvida, deve nos fazer refletir sobre o que realmente está em jogo nestas discordâncias mascaradas; poder-se-á descobrir a completa ausência de planos de governo em ambos os lados, o que de fato representaria a realidade de cada um dos grupos, como a “esquerda” e a “direita” e outros, uma vez que não há unidade nem plano de governo para quaisquer desses grupos. O que há, apenas, são interesses subjetivos e completamente fragmentários, disputando pelo poder.

A figura da liderança não deve tomar partido de quaisquer interesses fragmentados, pois seu papel é liderar o todo e não apenas impor os interesses de uma parte. Neste sentido, deve se colocar para além desses interesses e buscar iluminar o povo sobre a natureza da unidade política, sobre as relações internas entre os elementos, distintos entre si. O líder deve ter a missão de pôr cada elemento em seu lugar, de harmonizar o arranjo como um todo, alocando as notas cada qual para formar uma música, uma canção nostálgica e sacra, acabando, assim, com o caos negro e cacofônico que configura a desunião e a crise interna.

O líder deve tornar lúcido ao povo como as partes, estando no mesmo universo, possuem sua importância única e exclusivamente na medida em que participam para a boa ordem da música. Se porventura alguma parte se tornar essencialmente caótica, histérica, ela deve ser tratada como um câncer, uma vez que sua atividade colabora para a dissolução da unidade e, consequentemente, para a aniquilação de cada brasileiro enquanto tal.

Neste sentido, o Brasil precisa que cada um dos brasileiros tome para si a tarefa de buscar entender nossos problemas e de agir como se fosse um líder, primando sempre pela ordem geral, não atendendo a qualquer chamada individual, mas buscando resolver as contradições internas. Burcar iluminar, intelectual e politicamente, todos aqueles que se encontram na escuridão, isolados em paranoias e outros fenômenos subjetivos. A consciência do homem que toma para si essa tarefa se eleva e supera suas contradições individuais, alcançando níveis supra-individuais – e isto, por si só, já representa uma vitória espiritual, pelo menos de alguns homens que, na medida em que isso ocorre, colaborarão ativamente para o resgate da pátria como um todo. Pois um homem desperto é luz para outros que despertarão.

O líder, convenhamos, requer estabilidade emocional e intelectual, determinação, coragem, auto-confiança, raciocínio intuitivo analítico e sintético, e todas estas são características essencialmente masculinas.

No caso do Bolsonaro, porém, é importante lembrarmos de alguns detalhes. O povo enxerga nele uma figura paternal, que luta pelo reconhecimento generalizado da figura masculina; os sinais que ele dá são a agressividade, única e exclusivamente. Acontece que a agressividade não é uma característica essencialmente masculina, ela apenas acompanha alguns atos masculinos, é secundária. Características essencialmente masculinas são, por exemplo, a capacidade intelectual de governar e erigir harmonias científicas, a coragem (que em grego, andreia, vem justamente de andros, homem masculino), a constância e a auto-confiança, a estabilidade, a determinação. Nenhuma dessas características, fundamentais para um líder, está presente na figura e nos ideais do Bolsonaro. O líder é, antes de tudo, alguém que lidera, e para isto deve haver algo que é liderado: o povo. O apelo do Bolsonaro pelas forças armadas, pela violência da polícia, porém, não está harmonizado com o objetivo de alguém que estaria liderando o povo. Bolsonaro, juntamente de Paulo Guedes, quer a independentização do Banco Central, a liberalização da economia brasileira e a diminuição do Estado brasileiro, cujo resultado será o abandono de todo um povo diante de feras capitalistas do mercado internacional. É necessário que o povo entenda que a violência promovida pelo Bolsonaro por meio de forças armadas é única e exclusivamente com o fim de defender a ordem do mercado internacional contra as possíveis revoltas populares, uma vez que o resultado das políticas dele será nada além de pobreza extrema da grande maioria, acentuando a concentração de renda no país que já tem a maior concentração de renda do mundo inteiro.

Bolsonaro promove uma violência de cima para baixo, que sufoca as manifestações populares contra elites sanguessugas. É o tipo de violência que contradiz totalmente a promovida por um líder do povo, que clama por uma violência de dentro para fora, isto é: uma violência que sai do braço do povo e esmaga os inimigos dele, que devem ser vistos como externos à pátria. E o mercado dos acionistas internacional, dos banqueiros, dos agiotas internacionais, de todos os mega-empresários que visam um lucro puramente individual (o que significa que eles se colocam de fora da comunidade, enquanto idios, de onde a palavra “indivíduo” e “idiota”), não fazem parte dessa comunidade; se elas mantêm algum tipo de relação com essa comunidade e que beneficiam a elas, por meio de lucros, elas são o câncer e estão enriquecendo às custas do sofrimento generalizado de toda uma pátria.

O líder é uma figura que deve servir de exemplo. O líder é alguém que é seguido, não alguém que arrasta seus governados. Ele deve, antes de tudo, ser um asceta, não se sujar com os excessos das elites, buscando o que Aristóteles chamava de “mediania”, o meio termo que mantém a alma estável e longe de vícios que poderiam escraviza-la. É alguém que se põe na primeira fileira da falange, e não alguém que se esconde atrás de seus governados como se eles fossem mera massa de manobra para atingir objetivos pessoais.

Neste sentido, a única figura que surgiu nas últimas décadas, após Leonel Brizola, foi Ciro Gomes, em seu momento decisivo, como alguém que se põe a servir de exemplo para um povo sem figura paterna. Tendo recusado salários dos cofres públicos, a moradia nos aposentos do governo em Brasília, onde as famílias são servidas por mordomos e mil outras comodidades, foi governador e ministro, obtendo ótimos resultados no Ceará ao apostar na educação da juventude para a redução de mazelas sociais. Sua postura nas palestras em todo o Brasil, e fora dele também, denuncia uma relação erótica para com o povo brasileiro, mantendo um cuidado diante daquilo que analisa e sobre o qual discute, fazendo sempre apelo à elevação do olhar daqueles com quem debate, com vistas a observar o cenário como um todo, de cima. E a governança é uma atividade erótica, senão mística, entre líder e liderados. Não há aparato mecânico que construa (sistemas do direito, por exemplo) nem aparato cognitivo (ciências políticas e sociais, por exemplo) que traduza e compreenda essa relação profunda de confiança entre mestre e discípulo, entre líder e liderado, entre pai e filho. A governança é um fato espiritual do mundo como qualquer fenômeno da natureza, que independe dos nossos conheceres e quereres.

É neste misticismo que se funda a religião e a civilização, separados nas ciências, mas inseparáveis na realidade. O apelo de Bolsonaro por “Deus, pátria e família” soa, então, muito controverso, uma vez que permanece apenas na palavra, muito longe dos seus atos concretos. Seu governo extinguirá Deus, pátria e família. Seu governo será o maior inimigo de toda relação profunda e mística que subjaz na vida dos brasileiros. Extinguirá Deus porque destruirá as relações naturais de confiança para instaurar o Direito consuetudinário anglo-saxão e abrirá a pátria para o mercado internacional, fazendo dissolver as comunidades tradicionais e religiosas que ainda abundam no nosso país. Sumirá nossa pátria porque tudo que seu governo fará constitui a destruição de nossa soberania. E dissolverá nossas família pelo mesmo motivo que elas vêm se dissolvendo há décadas: a educação dos filhos será única e exclusivamente rendida aos interesses do mercado, e assim seguirão as universidades; não haverá tradição familiar, cada indivíduo será, na família, um elemento separado e independente da família, como quer o mercado. Essa decadência da família é a última que ocorre, tendo iniciado lá quando se instituiu como conceito de família apenas a família nuclear (pai, mãe e filho, sem avós, tios e primos), que também colaborou para o surgimento de uma classe média dependente de um mercado globalista e apátrida.

A Soberania

Surpreendentemente, o mais óbvio dos aspectos concretos de nossa crise brasileira, a crise da soberania nacional, é o menos compreendido, onde há mais confusão entre o povo e, até mesmo, entre políticos e intelectuais.

Parece que há uma enorme venda negra sobre os olhos do Brasil que tape um olhar adequado à questão da soberania. Pois ninguém percebe ainda que, para resolvermos nossos problemas internos, precisamos sobretudo de autonomia nas decisões sobre o que ocorre dentro de nosso país. Caso este fosse um aspecto perceptível, jamais haveriam projetos como os da chamada “esquerda” nem como os da chamada “direita”, pois ambos os espectros parecem ser máquinas sociais perfeitamente construídas para a destruição da soberania. De um lado, as ideologias vazias das ciências sociais, o subjetivismo intelectual, o identitarismo neo-kantiano das intermináveis vertentes feministas e de movimentos LGBT, que contribuem para a dissolução das identidades brasileiras e, ao mesmo tempo, para a criação de identidades avulsas e contingentes, de caráter universalista e global: a consequência disso será, obviamente, a universalização dos ideais “ocidentais” e a dissolução de qualquer unidade nacional, condição de possibilidade para qualquer nível de soberania nacional. De outro lado, a crença absurda de uma “mão invisível do mercado” capaz de regular as relações sociais e a diminuição do Estado, o que significaria um enfraquecimento para lidar com quaisquer influências externas, desde as culturais, intelectuais, científicas, até as de força – como demonstrado pelo exercício dos EUA na Amazônia nos anos recentes, pelos grampos da CIA e NSA, pela divulgação de agentes dessas organizações em importantes cargos brasileiros no governo e nas mídias, pela nitidamente forçada privatização de nossas indústrias e recursos naturais (inclusive para empresas como Nestlé e Coca-Cola, no caso da água dos aquíferos).

Ambos, direita e esquerda, despontam como duas mega-frentes que apenas se contrapõem no discurso, enquanto colaboram intensamente na prática. O combate entre essas duas frentes é, obviamente, conscientemente imposto pelas elites, com o fim de criar a ilusão de que são dois polos opostos, uma sendo “o bem” e outra sendo “o mal”, dependendo de que lado se está. Isto anestesia o raciocínio de todas as classes e arrasta todo o povo para lutas fratricidas sem significado algum. É evidente que, assim, os assuntos mais importantes ficam de lado; e conforme informações surgem diariamente por todos os meios, elas vão obscurecendo cada vez mais o debate, deixando apenas ao ódio mútuo e à violência, à desconfiança generalizada, o império da situação.

É necessário, pois, pensar a soberania. Afinal, estamos todos no mesmo barco. Ou melhor, no mesmo corpo. É preciso entender isso para que se descubra o verdadeiro inimigo. Os contos antigos, de Vladivostok à Cidade do Cabo, da Groenlândia à Austrália, do Ártico à Terra del Fuego, todos possuem uma sabedoria muito útil à nossa realidade contemporânea. Os contos a que me refiro são aqueles que contam a história de um mercador ou um viajante que chega em uma cidade pacata e ganha a confiança de algumas pessoas importantes; e tendo conhecido a estrutura da comunidade, quem manda em quem, depois de ter se inteirado dos vícios e das virtudes de cada uma das pessoas, trata de divulgar mentiras de um para outro sobre cada um deles, e o faz com tal maestria que, em questão de tempos, está instalada uma guerra interna. O mercador financia então as armas e, dada a vitória de alguém, cobra a retribuição, escravizando a nova autoridade da comunidade aos seus interesses mercantis.

Pois é isto o que ocorre no Brasil. As ideologias intelectuais identitárias neo-kantianas e/ou universalistas e atomistas são inoculadas no nosso país por meio de intelectuais, jornalistas e políticos estratégicos, e mais recentemente por empresários que disseminam vídeos mal-intencionados ou com informações falsas em whatsapp, transformando a opinião pública (a este ponto chegamos!). É ponto pacífico entre intelectuais decentes que o neoliberalismo (que se alimenta das confusões citadas acima) é uma ideologia espalhada em países periféricos (América Latina, Europa continental, Rússia, Irã, Síria) a partir dos países de centro (EUA, Inglaterra, Israel) que, contudo, não adotam em seus próprios países. Donald Trump toma medidas cada vez mais protecionistas em relação ao mercado global, mas no Brasil a chamada “direita” quer simplesmente abrir o país aos “investidores” internacionais. E mais: se os países de centro jamais tivessem sido estatistas e protecionistas, jamais teriam se tornado “o centro”. A questão que fica para o povo brasileiro, então, é a seguinte: queremos ser um país autônomo, capaz de uma vez ter seu centro sobre si mesmo, ou queremos ser cada vez mais escravizados por interesses de pessoas que não têm nenhum dever e nenhum amor para conosco?

Mais uma vez, não é Bolsonaro nem Lula, nem Amoêdo nem outra porcaria dessas mesmas de sempre que têm um olhar beneficamente decisivo para nosso país. É Ciro Gomes, que se esforçará em desenvolver um aparato de segurança e de inteligência robusto para competir com a NSA, a CIA e o próprio FBI em seu exemplo interno, para eliminar não apenas os traficantes das favelas, mas os barões do tráfico dos bairros nobres, que financiam políticos e jornalistas para defenderem interesses deles. É ele, que pretende chamar a China para uma conversa entre duas nações que visam seus próprios interesses, buscando um equilíbrio justo nas negociações; com a China, Ciro visa recuperar uma boa parte da indústria do nosso país, em troca dos minérios que o Brasil já envia para os chineses. É ele, que pretende refinanciar as forças armadas e construir uma indústria bélica genuinamente brasileira para competir com todas as potências mundiais com o fim de defender os interesses dos brasileiros dentro do seu país e fora dele, por meio da persuasão. É ele, que pretende refinanciar as universidades para desenvolver tecnologias brasileiras, sem as quais absolutamente nada, nem sequer a fundição de metal para a manufatura de um prego, seria possível. É ele, que pretende investir em escolas em todo o país para desenvolver um amplo sistema de formação (Bildung, Paideia) nacional, onde certamente o orgulho da pátria e o amor familiar e conjugal serão recuperados, sem os quais uma civilização simplesmente morre, como aconteceu com Roma, que terminou em chacina generalizada para benefício de elites mercantis e internacionais.

Conclusão

Nesse texto, quisemos apresentar alguns aspectos que devem servir para o brasileiro refletir, sem os quais não haverá solução para absolutamente nada. É preciso de cérebros e filósofos, e é preciso também de homens corajosos, para defender nossa soberania e restaurar uma saúde espiritual no país como um todo.

Quando enaltecemos a figura de Ciro Gomes, não é porque somos “do partido do Ciro”. Muito pelo contrário, abominamos essa abordagem para com os políticos. Não há que ser fanático ao ponto de se tornar cego. Pois, quando fizemos elogios ao candidato Ciro Gomes, é por tudo quanto ele tem defendido até então; ele representa, de fato, uma saída concreta para os problemas do Brasil. Ele não é a solução em si, não buscamos nele a salvação da pátria. Mas ele é um elemento de suma importância para que possamos algum dia respirar aliviados e tomar forças para, quem sabe no futuro, poder reconstruir nossa pátria.

Pelos mesmos motivos, devemos olhar para a história e observar os pontos positivos de Enéias Carneiro, de Leonel Brizola, Getúlio Vargas, sem perder de vista seus pontos negativos ou anacrônicos, que deverão ser corrigidos aqui e ali em projetos futuros. A Campanha da Legalidade do Brizola deve servir de exemplo para todos nós, brasileiros, da coragem de um homem firme, inteligente e amoroso. E isto é sacro, e isto é belo!

Si vis pacem para bellum